Discografia: LOUD

123

Data de lançamento: 12 de novembro de 2010

Gêneros: Rn’B, dance-pop

Conceito do photoshoot: O oposto do photoshoot de seu álbum anterior, nas fotos de divulgação do LOUD Rihanna estava mais selvagem, com trajes que eram praticamente moldes feitos para o seu corpo: leves e curvilíneos. Em paisagens de tirar o fôlego, e em poses sensuais, nossa diva queria deixar bem claro: é dona de uma beleza natural.

Crítica: Totalmente de volta às cores e com um som bem mais alegre e festivo do que em sua era anterior, o mundo observava sempre a evolução de Rihanna: em sua voz, em seu poder de performance e em sua trajetória por completo. Estes fatores fizeram com que Rihanna continuasse entre as estrelas mais aclamadas do pop, sua versatilidade era elogiada novamente, com ainda mais fervor pela maioria dos críticos; recebia a seguinte expressão: ‘’Only Girl mostra que não é única apenas em sua música.’’

Hits: Only Girl, o 1° single foi um sucesso mundial quase que imediato, ficando apenas a desejar em território americano, então, o 2° single do álbum ‘’What’s My Name’’ em parceria com Drake foi anunciada como música de trabalho e conseguiu o tão esperado 1° lugar na Billboard HOT 100, um fato curioso é que Only Girl começou a crescer nas rádios e no iTunes, conseguindo assim também o topo da HOT 100, depois do 2° single, o que é ao mesmo tempo inédito e recordista. S&M foi lançada como o polêmico 3° single, foi hit mundial durante semanas, quando todos pensavam que era o fim do sucesso da canção, foi lançado um remix com Britney Spears, fazendo assim com que o sucesso da canção duplicasse e se tornasse um hit gigantesco.

Singles: Only Girl In the World, What’s My Name ft. Drake, S&M, California King Bed, Man Down, Cheers.

Vendas: Vendendo extraordinariamente em território Americano e europeu, o LOUD conseguiu em poucos meses vender mais de 1,5 milhões de cópias nos Estados Unidos e no Reino Unido, multiplatinado nos grandes mercados do mundo, o álbum ainda vendeu muito bem na França, Bélgica, Canadá e Japão. Atualmente, o álbum está perto de chegar a marca de 6 milhões de cópias vendidas mundialmente.

Videografia – LOUD

 

  • Only Girl (In The World)

Anthony Mandler foi escolhido novamente para dirigir o vídeo de estreia de mais um CD da Rihanna: O LOUD, lançado no final de 2010. O clipe de “Only Girl (In The World)” foi gravado no dia 14 de Setembro em Los Angeles, seu lançamento aconteceu no dia 13 de Outubro e imediatamente foi recepcionado como uma febre na internet.

Nada melhor do que a própria Rihanna para nos explicar o conceito do novo vídeo, que inaugurava não somente um novo disco, mas, também uma nova era em sua vida: “Era como o mundo seria se fosse só eu. Feliz, colorido, energético.”, disse ela à MTV. Numa entrevista para o site Just Jared, Rihanna falou sobre as gravações: “É muito, muito bonito filmar nestes lugares loucos, loucos, loucos. Nós filmamos paisagens que encontramos em horas fora de L.A. Parece tão irreal, algo falso, como se tivesse saído de um postal com colinas bonitas… Nós tivemos muito brilho do sol nestes dias, então funcionou com a essência do vídeo. Mas de fato, o vídeo apenas mostra esta grande paisagem e a única pessoa lá sou eu”.

Clipes como o de “Only Girl (In The World)” falam por si mesmo, pois, investem em um enredo simples, porém, profundo, transmitindo toda a energia de uma nova fase da vida de Rihanna após superar inúmeros problemas pessoais.

 

  • What’s My Name?

“What’s My Name?”, um dos vídeos de maior sucesso da carreira da diva Rihanna, foi gravado no bairro Lower East Side em Nova York no final de Setembro de 2010. A direção ficou por conta de Philip Andelman e a estreia se deu no dia 12 de Novembro, mesmo antes da canção ser conhecida pelos fãs.

O clipe é o relato de um romance que começa por acaso e se desenvolve em um jogo de paquera e sedução entre Rihanna e o rapper Drake, cujos vocais estão na canção. Muitos consideram a atuação de ambos os cantores como esplêndida, especialmente porque a “química” entre os personagens corresponde a um romance real vivido por eles.

O colunista da MTV James Montgomery escreveu sobre o enredo de “What’s My Name?” dizendo que era: “Totalmente exuberante” e que “era como o passeio da fantasia, um pouco mágico, pelas ruas da Big Apple, o que é conveniente, já que a música é muito bonita e sobre esse sentimento de estar tão apaixonado que nos deixa com vontade de gritar em uma esquina da rua”.

Curiosidade: Até Julho de 2013 o clipe de WMN era o mais assistido de toda a carreira da diva Rihanna na plataforma VEVO, sendo superado por “Diamonds” posteriormente.

 

  •  S&M

Um dos vídeos mais controversos, comentados e censurados da carreira de Rihanna. S&M foi dirigido pela também polêmica Melina Matsoukas, já parceira assídua da RiRi, foi gravado em meados de Janeiro de 2011 e lançado no primeiro dia do mês de Fevereiro.

Após as gravações tanto Rihanna como Melina falaram sobre os sentidos que envolveram a produção, no Twitter a diva afirmou: “Passei um fim de semana fantástico filmando o meu melhor/preferido vídeo de sempre!”, já a diretora afirmou: “O vídeo foi inspirado na relação sadomasoquista com a imprensa… não é apenas sobre um monte de chicotes e correntes. Também é refinado e colorido. Ela ama a arte pop e queria construir algo em um nível acima dos seus trabalhos anteriores.”.

O clipe de “S&M” chegou a ser censurado em 11 países diferentes por ser considerado de conteúdo explícito.

Entretanto, a polêmica envolvendo a parceria de Rihanna com Matsoukas não parou por aí: Rihanna e a diretora do vídeo foram acusadas de plágio pelo fotógrafo David La Chapelle, o qual alegou que diversas cenas do videoclipe recuperam cenários e personagens idênticos de um ensaio fotográfico seu.

Curiosidade: O blogueiro Perez Hilton, conhecido por suas inúmeras polêmicas envolvendo celebridades (inclusive com Rihanna), representou o papel da imprensa submissa.

 

  • California King Bed 

As gravações do videoclipe para o 4º single do álbum LOUD, “California King Bed”, decorreram em Março de 2011, dirigidas por Anthony Mandler e seu lançamento só aconteceu no começo de Maio do mesmo ano.

RiRi e Mandler buscaram transmitir com o enredo do clipe o que diz a canção: um relacionamento anteriormente tão forte se vê agora impedido pela distância, não física mas especialmente emocional do casal. O diretor chegou a falar sobre CKB e suas inúmeras parcerias com a diva de Barbados: “Acho que é algo tão único o que a Rihanna faz, qualquer personagem que ela interprete, qualquer lado que mostro, está sempre 1000%… Acho que a canção e o tema, ela quis obviamente mostrar o seu lado mais calmo, brilhante, um que é detectado talvez numa relação tumultuosa… Há tanta variedade quando se trata dela e tem sido uma boa jornada trabalhar com a cantora.”.

O ator “Nathan Owens” foi escolhido pela própria Rihanna para contracenar como seu par romântico, ao encontrá-lo pela primeira vez no set RiRi brincou: “Oi, eu sou a Rihanna, pode ficar calmo, só não se anime demais”.

Curiosidade: Ciara Pardo, gerente criativa da Roc Nation, mandou projetar uma cama de cinco metros e meio de comprimento para o clipe, na qual foi instalado um recurso especial que pudesse se mover e transportar Rihanna de um lado ao outro do quarto.

 

  • Man Down

Mais um clipe polêmico, comentado e dirigido por Anthony Mandler: “Man Down”, foi gravado em Portland Parish na Jamaica em Abril de 2011 e sua estreia aconteceu no programa de TV 106&Park do canal BET.

Rihanna buscou neste clipe trazer a tona inúmeros sentidos que envolvem a cultura caribenha, de onde ela descende, e dentre os temas principais encontramos o tráfico e a violência sexual. Entre lindas cenas nas praias do Mar do Caribe e nas outras belas paisagens da ilha, aparecem cenas de tensão, medo e principalmente ódio. RiRi explicou

o motivo pelo qual escolheu gravar em território jamaicano: “Não se pode ficar mais real do que na Jamaica. Foi incrível. Foi intenso, mas nós fizemo-lo, é claro. Nós temos a equipa dos sonhos, e eu estou realmente contente”, Mandler também comentou a nova produção: “Nós filmamos o vídeo no mês passado na Jamaica, e é minha música favorita dela das que já gravamos, então eu estava realmente animado por participar. É uma daquelas músicas que exige uma forte narrativa visual, e vamos apenas dizer que me deixaram trabalhar até ao fim. Então acho que se pode esperar algo que é chocante, dramático, intenso, emocional, edificante e esclarecedor.”.

A grande polêmica envolvendo o clipe de “Man Down”, especialmente a cena de morte que abre o videoclipe, chegou a levar instituições como a Parents Television Council (PTC), órgão não governamental que analisa moralmente conteúdos vinculados na TV aberta norte-americana, a se manifestarem de forma dura contra Rihanna pelo “homicídio calculado e frio” demonstrado no vídeo. O conselho discordou da atitude da artista em castigar um agressor sexual tirando-lhe a vida, com a justificativa que “envia uma mensagem muito forte e subjacente. Se Chris Brown disparasse numa mulher no seu novo vídeo, e se a BET o transmitisse, o mundo parava, mas como é a Rihanna ninguém diz nada.”. A diva chegou a telefonar para o canal BET e falando ao vivo utilizou seu direito de manifestação para defender o clipe de “Man Down”: “O estupro é, infelizmente, algo que acontece em todo o mundo e em nossas próprias casas, e nós continuamos a encobri-lo e fingir que isso não acontece”, disse ela. “Meninos e meninas se sentem compelidos a se envergonhar e escondê-lo de todos, inclusive seus professores, seus pais e seus amigos. É isso o que continua a capacitar os agressores.”.

  • Cheers (Drink To That)

O clipe de “Cheers” encerrou os trabalhos com o bem sucedido “LOUD” e pelo próprio roteiro foi feito como um vídeo celebrativo, uma espécie de presente dado por Rihanna aos seus fãs que a acompanharam durante toda a LOUD Tour. A direção e edição executiva do vídeo ficou por conta de Evan Rogers e Ciara Pardo, ambos produtores ligados à Roc Nation.

As principais cenas foram retiradas do show feito na maior arena da terra natal de Rihanna, Barbados: o Kensington Oval; durante o próprio show Rihanna anunciou aos fãs que estava gravando naquele momento seu novo videoclipe. Outras cenas incluem momentos íntimos de RiRi com sua família, amigos e com sua tripulação durante a gigantesca turnê mundial. A cantora Avril Lavigne, uma das compositoras da canção e cujos vocais também estão presentes na música, também aparece se divertindo em uma piscina, totalmente no clima festivo pretendido por “Cheers”, além dela outras celebridades que fizeram participações especiais na LOUD Tour aparecem no vídeo, tais como Jay-Z, Kanye West e Cee Lo Green.

 

PHOTOSHOOT

divisor